12/01/2014

Estrada entre Cusco e Puno - Peru

Este percurso de 390 km do oferece uma grande variedade de paisagens do Altiplano Peruano, sempre acima dos 3000 metros, chegando a atingir 4338 de altitude, em Abra La Raya.

Rio Vilcanota - estrada entre Cusco e Puno - Peru
Rio Vilcanota - estrada entre Cusco e Puno - Peru
Saindo de Cusco, logo se alcança o Rio Vilcanota, com suas águas esverdeadas, que segue por um longo percurso serpenteando ao lado da estradas, no vale entre as montanhas.

Laguna de Huaparcay - Peru
Laguna de Huaparcay - Peru
Mais à frente está a Laguna de Huaparcay, ao lado da estrada, formando uma bela paisagem, depois se chega ao povoado de Pucará, onde vale a pena visitar sua igreja de pedra, que forma um belo cenário, próxima a uma montanha de pedra.

Praça de Urcos - Peru
Praça de Urcos - Peru
Poucos quilômetros depois a rodovia passa dentro da cidade de Urcos, ao lado da praça, onde vale a pena parar para comer trutas com batatas e passear um pouco pela praça para conhecer os costumes locais.

Ruinas de Raqchi - Peru
Ruinas de Raqchi - Peru
A próxima parada é nas Ruinas de Raqchi, situadas ao lado da rodovia. O local conta com uma bonita igreja de pedra e sua praça, onde peruanas caracterizadas vendem seus artesanatos, onde se acesso às enormes ruinas de um templo e seu povoado inteiro de pedra.

Abra La Raya - 4338 m
Abra La Raya - 4338 m
Bem na metade do caminho está o ponto mais alto desta rodovia; Abra La Raya, que conta com um paradouro a 4338 metros de altitude, com vista para os picos nevados, onde as peruanas vendem seus artesanatos.

Igreja de Ayaviri - Peru
Igreja de Ayaviri - Peru
Outra cidade do caminho que vale a pena ir até a praça conhecer é Ayaviri, que também tem uma bela igreja de pedra. Já a passagem obrigatória por Juliaca é um caos, mas não tem como ser evitada. A cidade é uma bagunça, com muitos ambulantes e centenas de Tuck tucks vagando pelas ruas, mas estão sendo construídas avenidas largas com pistas duplas, sendo assim daqui a uns tempos deverá ficar bem melhor.

Igreja de Ayaviri - Peru
Mirante do Puma - Puno

  • A estrada neste trecho é boa, com asfalto em boa conservação, poucas curvas, já que a estrada foi construída nos vales, entre as montanhas. Dá para manter uma boa velocidade. 
  • Na chegada a Puno, não deixe de visitar o Mirante do Puma, que proporciona uma bela visão de toda a cidade e do Lago Titicaca, com fácil acesso ao lado da rodovia. 
  • Fiz este trecho com carro alugado e rodei 2000 km pelo Peru, todas as rodovias estavam em ótimo estado.
  • Para quem quiser viajar de trem por este trecho, a PeruRail faz esta rota, levando cerca de 10 horas.




Acesse os links abaixo, leia o relato e veja os posts dos outros destinos desta aventura:
Aventura no Peru – parte 1 
Aventura no Peru – parte 2 
Aventura no Peru – parte 3 
Machu Pichu – como chegar 
Cusco 
Chinchero   
Ollamtaytambo 
Salinas de Maras 
Pisac
Puno 
Arequipa
Cânion Colca  
Estrada de Abra Málaga 
Estrada entre Puno e Moquegua 
Estrada entre Moquegua e Arequipa  
Estrada entre Arequipa e Chivay  

Localização por satélite


5 comentários:

Milena disse...

Estou planejando nossa ida ao Peru e temos mta vontade de ir até o Lago Titicaca. você foi com GPS?
pelo que percebi não da pra ir e voltar no mesmo dia.. mas se pernoitarmos em Puno conseguimos ir num dia e voltar no outro né?

Jair Prandi disse...

Sim, o ideal é ir em um dia e voltar no outro. Assim dá para fazer o passeio tranquilo.

Paulo - Trilha Inca disse...

Cusco é muito legal. É bem pequena, mas com gente de todo mundo. Vale a pena conhecer.

Leonardo Lucena disse...

Boa noite, primeiramente parabéns pelo blog, muito legal. Estou indo ao Peru em outubro e com a ideia de ir ao Lago Titicaca, saindo de Cuzco à noite passando a noite em um ônibus que chega em Puno pela manhã. Estou preocupado com a estrada se é perigosa já que irei a noite e de ônibus. Gostaria de saber se a estrada é perigosa. Obrigado

Jair Prandi disse...

Passei por estrada de dia, com carro alugado, e me pareceu bem tranquila. Apenas em Juliaca é que desperta uma certa insegurança pela gabunça e por ser uma cidade mais grande.