Viagem ao Peru – Machu Pichu, Ollamtaytambo, Maras. Primeira parte de uma grande aventura no Peru, de avião e carro em 8 dias.

Relato de uma viagem de 8 dias desbravando as paisagens peruanas, de avião, de trem e de carro alugado, conhecendo, Machu Pichu, Ollamtaytambo, Pisac, Puno, Arequipa, Cânion Colca e 2000 km de estradas do altiplano da Cordilheira dos Andes.

Comprei as passagens de avião, bilhetes de trem e ingresso de Machu Pichu, reservei carro, pesquisei hotéis, atrações turísticas, meios de transporte, reservei o carro, tudo pela internet. Usando o Google Maps e mapa do Peru, tracei meu próprio roteiro, tendo assim total liberdade de escolher onde, quando e quanto tempo ficar em cada lugar.

Estrada para as Salinas de Maras - Peru
Estrada para as Salinas de Maras – Peru

1º dia – Viagem Vacaria – Porto Alegre – São Paulo – Lima

Viagem do Brasil ao Peru

Partimos de Vacaria, no Rio Grande do Sul, às 9:00 da manhã com destino ao aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre – 240 km de carro.
Guardamos o carro no estacionamento do aeroporto e pegamos o voo de Porto Alegre a São Paulo, às 15:17 h.
Chegada à São Paulo às 17:00 h (2:40 h de conexão)
Voo de São Paulo a Lima às 19:40 h (5 horas de voo)
Chegada a Lima às 22:55 h, já no horário do Peru, que tem seu fuso horário com 2: 00 h a menos que o Brasil.

No aeroporto de Lima

Em Lima, fomos encaminhados direto à alfândega onde carimbamos a entrada ao Peru, acertamos o relógio pelo horário local, pegamos as malas na esteira e trocamos apenas 50 dólares no Câmbio do aeroporto que não é muito favorável.
Fizemos check-in e despachamos as malas novamente para Cusco. Como o voo para Cusco só saia as 5:45 h da manhã, tivemos que passar a noite no aeroporto.

Como Comprar Passagens Aéreas Baratas
Sobrevoando os ipicos nevados da Cordilheira – Voo de Lima a Cusco

2º dia – Lima a Cusco – Chinchero a Ollamtaytambo

Chegando em Cusco

Voo de Lima a Cusco às 5:45 – Chegada a Cusco às 07:05.
O voo entre Lima e Cusco é bem interessante, inicia com montanhas no deserto de areia e passa por cima de diversos picos nevados.
Pegamos as malas na esteira e tomamos um táxi até a locadora Hertz, onde havia reservado um carro econômico.
O funcionário da Hertz perguntou qual era o meu roteiro e logo me aconselhou a pegar um carro com motor mais forte, devido ao constante sobe e desce das montanhas e à grande altitude local, então aluguei um Corola 1.6.

Tomamos um café em uma padaria e trocamos dinheiro em uma das muitas casas de câmbio, com melhor cotação do que no aeroporto.
Deixamos para conhecer Cusco no final da viagem e seguimos rumo a Ollamtaytambo, via Chinchero.

Chinchero - Peru

Chinchero e Salinas de Maras

Após a saída tumultuada de Cusco, a rodovia se tornou bastante tranquila. Nossa primeira parada foi em Chinchero, onde paramos para tirar fotos, e na primeira caminhada, já sentimos os efeitos dos seus 3800 metros de altitude.

Paramos mais à frente em um mirante com vista para o Vale Sagrado, depois entramos à esquerda para conhecer as Salinas de Maras, por uma estrada de terra em boas condições com curvas e penhascos perigosos (15 km, ida e volta).

Salinas de Maras - Peru
Salinas de Maras – Peru

As Salinas de Maras são minas de sal com lagoas de evaporação em terreno inclinado. Desde tempos pré-Inca, o sal foi obtido em Maras por evaporação de água salgada de um córrego subterrâneo local.
A água é altamente salgada e emerge de uma corrente de água natural subterrânea com fluxo direcionado para um complexo sistema de pequenos canais construídos de modo que a água corre para baixo gradualmente para as várias centenas de pequenas lagoas em forma de escadas.

Cidade de Ollamtaytambo e ruínas ao fundo
Cidade de Ollamtaytambo e ruínas ao fundo

Urubamba e Ollamtaytambo

Na sequência, passamos por Urubamba, onde na chegada se tem vistas panorâmicas da cidade, à partir das diversas curvas da estrada de acesso. Ao passar por Urubamba cruzamos por diversos Tuk Tuks (motocicletas de 3 rodas fechadas) utilizados como taxis ou como meio de transporte particular, que se fazem presentes em quase todas as cidades do Peru.
Quando terminou o asfalto, chegamos a Ollamtaytambo, cidade que parece ter parado no tempo, com construções de pedra e montanhas muito íngremes ao redor.

Crianças peruanas em Ollantaytambo
Crianças peruanas em Ollantaytambo

Passamos pela praça e fomos até o hotel reservado, no final de um beco. Tomamos um banho, dormimos um cochilo, pois passamos a noite no aeroporto, depois fomos conhecer as ruínas da cidade. Para entrar nas ruínas é preciso adquirir o boleto turístico, que dá direito a entrar em diversas ruínas, mas não dá para comprar separadamente.

Se não quiser comprar o boleto, em Ollamtaytambo, dá para ver quase tudo por fora, só não dá para subir as escadarias e terraços, já em frente às ruínas, há um grande centro de artesanato. Nas ruas da cidade, há canais onde a água desce das montanhas e circula em boa parte das ruas.

Parque arqueológico de Ollamtaytambo - Peru
Parque arqueológico de Ollamtaytambo

À noite, fomos jantar em um restaurante, provamos a Incakola, refrigerante tradicional do Peru, tem gosto de xarope, meio enjoativo. Quando voltamos ao hotel, dei por falta da mochila, levei um susto, já que estava nela; todo o dinheiro (Soles e Dólares), bem ao fundo, cartão de crédito, documentos, câmera digital e filmadora.

Voltei correndo e chegando lá a mochila estava perto do balcão, dei uma olhada rápida, pareceu estar tudo ali, a atendente chegou e agradeci. Dias depois percebi que estava faltando 50 dólares.
Fomos dormir cedo para recuperar o sono e no dia seguinte pegar o trem às 6:40 h na estação.
Distância percorrida no dia = 100 km

3º dia – Ollamtaytambo – Machu Pichu – Ollamtaytambo

Viagens e Caminhos - Machu Pichu
Viagens e Caminhos – Machu Pichu

Ollamtaytambo a Águas Calientes de trem

Levantamos as 5:30 h, tomamos o café as 6:00 h, fomos até a praça e pegamos um táxi Tuk Tuk até a estação que era um pouco distante. A vantagem dos Tuk Tuks é que são muito baratos, pagamos 2 soles (menos de R$ 2,00) para andar 1 km.

Estação de trem de Ollamtaytambo
Estação de trem de Ollamtaytambo

Já havíamos comprado os bilhetes de trem, pela internet, alguns meses antes, foi só passar no guichê da Incarail e imprimir.
O trem saiu pontualmente no horário descrito e foi serpenteando, junto ao rio Urubamba, entre montanhas muito íngremes até chegar a estação de Águas Calientes.

Machu Pichu pueblo (Águas Calientes) - Peru
Machu Pichu pueblo (Águas Calientes) – Peru

Águas Calientes a Machu Pichu de ônibus

O próximo passo foi comprar o bilhete dos ônibus que fazem a subida do trecho final de estrada em caracol até a entrada de Machu Pichu.
Como havíamos comprado pela internet, tivemos que ir até o guichê para imprimir os bilhetes, depois entramos na enorme fila de acesso, onde se mistura gente dos quatro cantos do mundo, até que enfim entramos.

Machu Pichu

Machu Pichu é maior do que pensava, decidimos então começar pela parte alta, de onde se tem as melhores vistas clássicas do santuário. É preciso ter um pouco de paciência para tirar boas fotos, já que a disputa pelos melhores locais é grande.

Machu Pichu vista do sentido contrário
Machu Pichu vista do sentido contrário

Tivemos muita sorte, o dia estava lindo e com visibilidade ótima, ficamos mais de 3 horas caminhando entre as ruínas, tirando fotos e curtindo. Iniciamos à esquerda pela parte alta, fomos descendo e dando a volta pela parte baixa até que cansamos e resolvemos sair e descer para Águas Calientes.

Montanha Machu PichuVolta a Ollamtaytambo

Águas Calientes é o povoado que serve como base para quem visita Machu Pichu, oferece muitas opções de hospedagem, restaurantes e estrutura turística, os turistas que vem de trem a partir de Cusco, geralmente passam a noite no povoado. Almoçamos, fizemos compras na enorme feira de artesanato local e fomos até a estação aguardar nosso trem de volta.
Na volta a Ollamtaytambo, sentamos com um casal de brasileiros e conversamos durante toda o trecho sobre viagens. Chegamos, jantamos e voltamos ao hotel. Neste dia o carro alugado ficou parado o dia todo no hotel.

Confira os outros dois artigos que dão sequência ao relato de nossa grande viagem pelo Peru:
Aventura no Peru – parte 2
Aventura no Peru – parte 3

COMPARTILHAR
Jair Prandi
Editor, fotógrafo, videomaker, e influenciador digital do Viagens e Caminhos. Apaixonado por viagens com toques de aventura, criou esse blog de viagens para compartilhar suas experiências.

8 COMENTÁRIOS

  1. olá

    parabéns pela bela bela viagem
    vou ao peru em julho, e pretendo alugar um carro em cuzco para percorrer a região do vale sagrado. estarei com uma criança de 12 anos, as estradas e acessos estão em boas condições?

    quanto as pilhas de pedra a beira da estrada, voce também as encontra no chile, principalmente na região do atacama, mas em várias partes do país.

    abç

    jose roberto

  2. Obrigado Valéria!
    Gastei em torno de R$ 6000,00
    A gasolina é vendida em galão, mas o preço se equivale ao do Brasil.
    Quanto ao hotel, depende da qualidade que você deseja. Existem opções bem baratas no Peru, onde você pagamenos de R$ 100,00 a diária para o casal.
    O que é salgado é o trem, ônibus e entrada para Machu Pichu. Vai gastar de R$ 400,00 a 500,00 por pessoa.

  3. Ola galera, tudo bem?
    primeiramente parabéns pelo blog, ótimas dicas!!
    Para chegar a Machu Picchu, uma dica fundamental é reservar um hotel em Aguas Calientes para a noite anterior à visita. Assim você consegue chegar bem cedinho ao parque e ainda aproveitar o nascer do sol que deixa toda a cidade dos Incas com um ar ainda mais especial e mágico.
    agora temos dos horários para entrar a Machu Picchu a primeira é de 6 am ate 12:00 e o segundo turno é de 12:30 ate 17:30 compre suas entradas para o santuário com antecedência.
    lembem que o Peru tem muitos outros lugares maravilhosos
    value suas dicas!!

  4. Olá, Jair, sem dúvida uma viagem planejada, muito bom. Tive a sorte de ir a Machu Picchu e, assim como você, fiquei encantado com esta maravilha. Pessoalmente recomendaria chegar a Machu Picchu pelo Caminho Inca pela experiência única que é. Outra opção muito boa é subir Huayna Picchu. Um abraço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here